Clínica e epidemiologia de câncer de esôfago

Março 11, 2016 Admin Saúde 0 1
FONT SIZE:
fontsize_dec
fontsize_inc

A incidência é de 2,5-5 casos por 100.000 habitantes. Existem dois tipos de câncer: carcinoma de células escamosas origem em células escamosas e adenocarcinoma no epitélio do esôfago de Barrett ou nas glândulas do mucosa esofágica.
O sintoma da base é disfagia, que é o primeiro de sólidos e líquidos mais tarde. Uma vez que a lesão é geralmente instituída em um estágio avançado. Nos estágios iniciais, o paciente pode notar uma sensação de pressão retroesternal ou emprego de engolir. Com a evolução aparece sialorréia, renascimento, marcada anorexia e perda de peso. Pode haver episódios de pneumonia por aspiração ou esophagotracheal fístulas.
O diagnóstico é feito pela endoscopia e biópsia da lesão. Quando é impraticável de estenose verificação marcada, bário radiologia mostrar o comprimento e disposição do estenose.
Para estadiamento e avaliação de opções cirúrgicas é uma prática essencial CT (TC) e broncoscopia thoraco.
O tratamento cirúrgico com finalidade curativa é possível em 40% dos casos. Mesmo assim, a sobrevida em 5 anos é de 20%. No tipo de carcinoma epidermóide é utilizado principalmente a radioterapia, dado comparável aos resultados da cirurgia. Os tumores acompanhados por doença loco-regional ou de alto risco cirurgia irressecável, tratados com quimioterapia e radioterapia simultaneamente. Nos casos de doença disseminada, você pode tentar um tratamento paliativo para melhorar a disfagia e estado nutricional. Expansões periódicas podem usado, posicionamento de prótese, se as lesões são fotocoagulação circunferencial ou laser.

(0)
(0)

Comentários - 0

Sem comentários

Adicionar um comentário

smile smile smile smile smile smile smile smile
smile smile smile smile smile smile smile smile
smile smile smile smile smile smile smile smile
smile smile smile smile
Caracteres restantes: 3000
captcha